BitCoin

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Algoritmo de lógica fuzzy prevê desejo dos consumidores

Leitura da mente consumidora
Seja para lançar um novo modelo de automóvel ou uma nova coleção de roupas, a pergunta que todo empreendedor se faz é: Quais produtos têm maior chance de alcançar sucesso comercial?

Por mais difícil que possa parecer, contudo, responder a essa pergunta de antemão não é de todo impossível.
Foi o que demonstraram trêspesquisadores da Coppe/UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).
Fábio Krykhtine e seus colegasdesenvolveram uma metodologia que permite identificar, dentre um rol de candidatos a produtos, quais aqueles que têm maior chance de alcançar sucesso no mercado.
Uma autêntica bola de cristal para os desejos do consumidor, a técnica baseia-se na lógica fuzzy, ou lógica difusa, um dos ramos da inteligência artificial, uma extensão da lógica booleana que admite valores intermediários entre o falso e o verdadeiro.
Seleção de lançamentos
Aplicada a um caso real de uma empresa do setor têxtil, a técnica foi capaz de promover um aumento imediato de 29% nas vendas de uma coleção de roupas.
A metodologia permitiu identificar, dentre uma coleção de produtos de vestuário, quais peças teriam sucesso comercial, em que mercados e por quais preços, levando-se em conta as características diversificadas do setor.
Fábio explica que, após pesquisa de campo junto ao público-alvo, o resultado é medido com a utilização de um algoritmo de lógica difusa, que define a atração do consumidor por produtos frente a um determinado preço.
Com essas informações é possível avaliar o aumento de margem ou redução do valor a ser pago pelos produtos, permitindo maximizar a venda e reduzir estoques.
"Em determinados casos, alguns produtos devem ser retirados da coleção, evitando investimentos que só trariam prejuízo para as empresas e ao meio ambiente, já que a produção têxtil utiliza muita água e energia elétrica", explica Fábio.
Ele escolheu a indústria têxtil para validar seus estudos porque os produtos do setor, sobretudo os voltados para o segmento de moda, são únicos por coleção, sem uma série histórica de venda que permita estabelecer uma previsão de produção com baixo risco - o ciclo comercial é curto e, se o produto não for comercializado em três meses, vai para a liquidação ou para os estoques.
A atratividade de um produto de uma coleção é medida por meio de um índice que varia entre 0 e 1, com 4.032 diferentes pontos. Dependendo do índice obtido, recomenda-se uma tomada de decisão com orientação para os riscos da produção. O objetivo é investir em produtos com alto potencial de venda e baixo risco.
Algoritmo de lógica fuzzy prevê desejo dos consumidores
Os professores Carlos Cosenza, Francisco Dória e Fábio Krykhtine, que desenvolveram o trabalho no LaboratórioFuzzy da Coppe/UFRJ. [Imagem: Coppe]
Lógica fuzzy
O trabalho foi feito no LaboratórioFuzzy  da Coppe, onde alunos de mestrado e doutorado, orientados pelos professores Carlos Cosenza e Francisco Dória têm realizado intensa produção de pesquisas utilizando a lógica difusa.
"Trata-se de uma técnica que dá a devida resposta para muitos problemas e questões relevantes para a ampliação da competitividade e produção das indústrias do Brasil e do mundo", garante Cosenza.
"A grande vantagem de utilizar lógica fuzzy", explica Fábio, "é podermos mensurar as informações obtidas por expressões linguísticas a partir de dados vagos".
É possível calcular com mais precisão a probabilidade de consumo a partir, por exemplo, de respostas dadas para uma cor do produto, como "Gosto muito", "Não Gosto", ou "Indiferente", mescladas com as respostas dadas para o preço, como "Muito Barato", "Barato", "Coerente" e "Caro".
Essas opiniões revelam sentimentos que a lógica clássica não traduz. A lógica fuzzy é capaz de trabalhar dentro do modelo a imprecisão e as ambiguidades humanas, tendo por isso obtido tamanha eficácia na avaliação das intenções de compra dos consumidores.

Fonte: