quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

AZEITE DE OLIVA: CUIDADO COM O QUE VOCÊ CONSOME

A produção de oliva (azeitonas) no mundo não é compatível com a produção de azeite!

É bastante inferior!

Alguma coisa está errada.
 
Cerca de 70% do azeite extra virgem vendido em todo o mundo são diluídos com outros óleos, tornando-os uma grande fraude mundial.
 
É o que afirma o jornalista americano Tom Mueller,
autor do livro:

“Extra Virginity: The Sublime and Scandalous World of Olive Oil” (Extra Virgem: O Sublime e Escandaloso Mundo do Azeite, em inglês).
 
No livro (ainda sem edição brasileira), Mueller mostra como a indústria bilionária mundial do azeite falsifica os produtos.
De acordo com o jornalista, o lucro com a adulteração do azeite dito de oliva, pelos seus números, pode ser comparada ao do tráfico de cocaína.
 
O azeite que você está consumindo pode ser falso!
 
Conforme o Conselho Internacional da Oliva, que supervisiona o mercado mundial de azeite, o Brasil foi o país que teve a segunda maior taxa de importação de azeite em 2011, perdendo somente para a Rússia.
 
Segundo Nelson Sakazaki, diretor técnico da Associação Brasileira dos Importadores e Comerciantes de Azeite de Oliveira, 20% do azeite vendido no Brasil sofreu algum tipo de adulteração.
 
E a fraude não se dá somente nos produtos.

“Em muitos Restaurantes e Pizzarias, os proprietários misturam outros óleos diretamente na lata ou garrafa de azeite extravirgem, e o consumidor, desavisado, não percebe”, disse Sakazaki para a revista Veja.
 
Como reconhecer um genuíno azeite extravirgem?

É difícil afirmar se a marca de azeite que você está comprando é realmente extravirgem.
Porém, existe uma dica que pode lhe ajudar a dizer se o seu produto é real ou falso.
 
É o seguinte: o azeite extravirgem solidifica quando está frio.
 
Para fazer o teste, basta colocar um pouco de azeite dentro de um recipiente de vidro, e mantê-lo dentro do refrigerador por um prazo de 48 horas.

Ao abrir a geladeira verifique se o azeite está turvo ou endureceu.

Qualquer óleo que não solidificar na geladeira, não é puro –
é simples assim.
 
O ponto de fusão (transformação de líquido para sólido) do azeite acontece na temperatura de 13 a 14° C, ou seja, com a redução da temperatura o azeite deverá solidificar, e apresentar-se na forma pastosa.

Se o teu continuar líquido, jogue fora e peça teu dinheiro de volta!
 
E não compre mais deste fornecedor.

Leiam mais este artigo, que acrescenta mais algumas informações super úteis:

Por Eneida Ramos - Nutricionista

A dieta recomendada como mais saudável para as populações, tendo como meta a redução de doenças cardiovasculares, é aquela consumida na região do Mediterrâneo. Um dos denominadores comuns dessa dieta é o consumo de azeite de oliva. Esse azeite fornece ácidos graxos monoinsaturados, como o ácido oleico (ômega 9),  considerado fundamental pelas propriedades benéficas na redução da oxidação do LDL-colesterol, beneficiando a saúde cardiovascular.
Os efeitos benéficos do azeite de oliva irão depender do uso do óleo extra-virgem, especialmente por seu conteúdo de polifenóis, beneficiando a saúde cardiovascular e protegendo o organismo contra os danos dos radicais livres no organismo.
Em 2010, um estudo publicado por Torre-Carbot e colaboradores na revista Journal of Nutrition, mostrou os efeitos de dois tipos de azeite de oliva, virgem (com compostos fenólicos) e refinado (sem compostos fenólicos). A conclusão foi de que somente o azeite virgem reduziu os marcadores de estresse oxidativo e oxidação do LDL, o que é condição essencial na promoção e proteção da saúde.
Assim como esse, outros estudos mostram que os efeitos protetores do azeite de oliva estão correlacionados não só ao seu conteúdo de ácido graxo monoinsaturado, mas também aos compostos bioativos contidos nele. E para colher esses benefícios, o primeiro passo é aprender a comprar um bom azeite.
Confira 10 orientações:
1 – Antes de mais nada, não se deve comprar um azeite às pressas. É preciso calma para analisar a embalagem
2- O azeite de oliva é produzido unicamente a partir de  azeitonas, ou seja se tiver algum outro óleo junto (soja, girassol ou outro) já não é um azeite de oliva genuíno, e sim um óleo composto
3- Na gôndola do mercado, deve-se  escolher o azeite que estiver mais no fundo da prateleira, por estar menos exposto à luz, e portanto menos oxidado (a luz prejudica a qualidade do azeite)
4- Mesmo que o produto esteja dentro da validade, se ele estiver muito tempo exposto à luz não é recomendado
5- Preste atenção nos rótulos dos azeites importados. Deve-se dar prioridade aos azeites embalados no próprio país de origem. Os azeites que são produzidos num país e embalados em outro, podem sofrer o processo de oxidação, perdendo a qualidade nutricional
6- Observe no rótulo alguns termos, como produzido ou engarrafado. O termo produzido refere-se ao azeite que foi produzido e engarrafado no mesmo local. Diferente do termo engarrafado, que não garante a devida procedência
7- Sempre que possível compre azeites em embalagens de vidro
8- O melhor vidro é de coloração escura, que ajuda a proteger o azeite de oxidação
9- Caso observe algum azeite turvo, pode ser resultado de um menor grau de filtragem, quando partículas de azeitona ficam em suspensão no azeite. Isso não compromete a  sua qualidade nutricional
10- Segundo a União Européia,  o azeite extra virgem deve ter a acidez inferior à 0.8%, a extração deve ser a frio. Observe o rótulo
A cor do azeite depende do tipo e do estado de maturação (amadurecimento) da azeitona. A coloração verde é resultado da prensagem de azeitonas ainda verdes, diferente de um azeite com coloração mais escura ou dourado, resultado da prensagem de azeitonas mais maduras.
Como conservar
- É importante saber que a luz, o ar e o calor podem prejudicar a qualidade do azeite. Assim, para garantir a qualidade nutricional sempre feche adequadamente o vidro, guarde-o em local fresco, distante do sol e calor
- Dessa forma, mantenha o azeite longe do forno, microondas ou forno elétrico
- A melhor forma de guardar o azeite é em vidros, preferencialmente escuros
- Após abrir o azeite, a validade usual é de 3 meses. Sempre observe o rótulo