terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Chico Mendes é declarado patrono do meio ambiente brasileiro

Foi sancionada hoje (16), pela presidenta Dilma Rousseff, a lei que torna Chico Mendes patrono do meio ambiente do Brasil. O líder seringueiro, morto há 25 anos, ficou conhecido internacionalmente por sua luta em favor da categoria, cujos meios de subsistência dependiam da preservação da floresta e suas seringueiras nativas.

Nesta segunda-feira, haverá sessão solene no Congresso Nacional em memória dos 25 anos da morte do líder seringueiro.  O evento ocorrerá às 11h, no plenário do Senado.

Biografia
Filho do migrante cearense, Francisco Alves Mendes e de Maria Rita Mendes, começou no ofício de seringueiro ainda criança, acompanhando o pai em excursões pela mata. Só aprendeu a ler aos 20 anos, já que na maioria dos seringais não havia escolas, nem os proprietários de terras tinham intenção de criá-las em suas propriedades.

Iniciou a vida de líder sindical em 1975, como secretário geral do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Brasiléia e participou ativamente das lutas dos seringueiros para impedir o desmatamento através dos "empates" - manifestações pacíficas em que os seringueiros protegem as árvores com seus próprios corpos. Organizava também várias ações em defesa da posse da terra pelos habitantes nativos.

Chico Mendes com sua esposa Ilsamar Mendes l Foto: Wikimedia Commons
Chico Mendes formou uma aliança entre sua gente e os índios amazônicos, o que persuadiu o governo a criar reservas florestais para a colheita não predatória de produtos como o látex e a castanha do pará.

A proposta "União dos Povos da Floresta" em defesa da Floresta Amazônica buscava unir os interesses dos indígenas, seringueiros, castanheiros, pequenos pescadores, quebradeiras de coco babaçu e populações ribeirinhas, através da criação de reservas extrativistas. Essas reservas preservam as áreas indígenas e a floresta, além de ser um instrumento da reforma agrária desejada pelos seringueiros.

Chico Mendes com seu filho, Sandino, cinco semanas antes de seu assassinato l Foto: Wikimedia Commons
Chico Mendes foi assassinado a tiros, no quintal de sua casa, em Xapuri, no Acre, no dia 22 de dezembro de 1988, uma semana depois de completar 44 anos. Chico anunciou que seria morto em função de sua intensa luta pela preservação da Amazônia e buscou proteção, mas as autoridades e a imprensa não deram atenção.

Casa de Chico mendes em Xapuí, Acre, onde foi assassiando l Foto: Wikimedia Commons

Informações Agência Brasil.