sábado, 7 de setembro de 2013

Pátria Amada Brasil !!


Ouça o Hino e abaixo um breve resumo sobre a Independência do Brasil e mais abaixo a História do Hino Nacional e uma video reportagem.

Independência Do Brasil

História da Independência do Brasil

A Independência do Brasil ocorreu em 7 de setembro de 1822. A partir desta data o Brasil deixou de ser uma colônia de Portugal. A proclamação foi feita por D. Pedro I as margens do riacho do Ipiranga em São Paulo.

Causas:

- Vontade de grande parte da elite política brasileira em conquistar a autonomia política;

- Desgaste do sistema de controle econômico, com restrições e altos impostos, exercido pela Coroa Portuguesa no Brasil;

- Tentativa da Coroa Portuguesa em recolonizar o Brasil.

Dia do Fico

- D. Pedro não acatou as determinações feitas pela Coroa Portuguesa que exigia seu retorno para Portugal. Em 9 de janeiro de 1822, D. Pedro negou ao chamado e afirmou que ficaria no Brasil.

Medidas pré independência:

Logo após o Dia do Fico, D. Pedro I tomou várias medidas com o objetivo de preparar o país para o processo de independência:

- Organização a Marinha de Guerra

- Convocou uma Assembleia Constituinte;

- Determinou o retornou das tropas portuguesas;

- Exigiu que todas as medidas tomadas pela Coroa Portuguesa deveriam, antes de entrar em vigor no Brasil, ter a aprovação de D. Pedro.

- Visitou São Paulo e Minas Gerais para acalmar os ânimos, principalmente entre a população, que estavam exaltados em várias regiões.

A Proclamação da Independência

Ao viajar de Santos para São Paulo, D. Pedro recebeu uma carta da Coroa Portuguesa que exigia seu retorno imediato para Portugal e anulava a Constituinte. Diante desta situação, D. Pedro deu seu famoso grito, as margens do riacho Ipiranga: “Independência ou Morte!”

Pós Independência

- D. Pedro I foi coroado imperador do Brasil em dezembro de 1822;

- Portugal reconheceu a independência, exigindo uma indenização de 2 milhões de libras esterlinas;

- Em algumas regiões do Brasil, principalmente no Nordeste, ocorreram revoltas, comandadas por portugueses, contrárias à independência do Brasil. Estas manifestações foram duramente reprimidas pelas tropas imperiais.

Hino Nacional: as difíceis estrofes da história de amor à Pátria

341ff56b1cbd522b51b87c2727649314.jpg

Malu Silveira Do NE10

  O Hino Nacional. Cantado por muitos, entendido por poucos. A única certeza para quem proclama sua letra é o orgulho de ser brasileiro. Se não o orgulho, a esperança de um País melhor. Neste 7 de setembro, Dia da Independência, estes cinquenta versos de amor à Pátria ganham ainda mais sentido. Escrito por Joaquim Osório Duque Estrada em 1909 como complemento à composição musical feita pelo maestro Francisco Manuel da Silva em 1822, o hino nacional foi oficializado em 1922 no primeiro centenário da Independência Brasileira.

Desde então, letra e melodia povoam o imaginário brasileiro. Em coro, as palavras parecem sair involuntariamente. Quando se canta sozinho, os versos fogem à cabeça. Talvez pelo vocabulário rebuscado e as diversas inversões sintáticas espalhadas pelas estrofes construídas milimetricamente. Mas, quando interpretado, o hino traduz a expressão máxima de nossa identidade.

HISTÓRIA - A canção esconde - além das expressões desconhecidas - em suas duas partes uma relevância histórica. "Escrita no início da República Brasileira, mostra a busca pela identidade política nacional. Faz referências ao próprio fato histórico, quando cita o Rio Ipiranga, onde Dom Pedro I, após receber as mensagens do decreto de Portugal, toma a decisão da Independência", pontua a professora de história Silvia Meira.

Outra curiosidade nos fatos que levaram à oficialização do atual Hino Nacional brasileiro é que música e letra foram compostas em épocas diferentes. "A música do maestro Francisco Manoel da Silva data do século 19, ainda na época da Independência. Era como se fosse uma marcha tocada por bandas para celebrar a emancipação política do Brasil. Dependendo da ocasião, eram inseridos pequenos trechos (aleatórios), mas ainda não era o hino oficial", explica.

A letra foi caracterizada como definitiva pelo decreto nº 4.559 de 21 de agosto de 1922, pelo então presidente Epitácio Pessoa e oficializada pela lei nº 5.700, de 1º de setembro de 1971.

independencia_ou_morte_pedro_americo_470
Fatos históricos que desencadearam a libertação do Brasil não se resumem apenas ao dia da Proclamação da Independência (Foto: Reprodução da Internet)

A historiadora, no entanto, ressalta que o período narrado na canção não se resume apenas ao dia da Proclamação da Independência de fato. "A independência não pode ser compreendida como um dia. Existe todo um encadeamento de situações. É preciso fazer uma leitura crítica do hino para que a sociedade compreenda o contexto histórico e possa refletir o quanto mudamos a partir daquele momento e o quanto ainda precisamos mudar".

SIMBOLOGIA - O Hino Nacional é um dos quatro símbolos oficiais da República Federativa do Brasil. A escolha da canção como um dos ícones - assim como a bandeira, as armas e o selo nacionais - está prevista na Constituição do Brasil (conforme estabelece o art. 13, § 1.º). "Estes símbolos contribuem para a identidade da sociedade brasileira, criam a sensação da união e também da soberania do Brasil em relação aos outros países".

Veja a vídeo reportagem no link:

http://ne10.uol.com.br/canal/cotidiano/educacao/noticia/2013/09/06/hino-nacional-as-dificeis-estrofes-da-historia-de-amor-a-patria-440913.php


Hino Nacional Brasileiro - letra 
 I
Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heróico o brado retumbante,
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,
Brilhou no céu da pátria nesse instante.
Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar
com braço forte,
Em teu seio, ó liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte! 
Ó pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve! 
Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança à terra desce,
Se em teu formoso céu, risonho e límpido,
A imagem do cruzeiro resplandece.
Gigante pela própria natureza,
És belo, és forte, impávido colosso,
E o teu futuro espelha essa grandeza.
Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó pátria amada! 
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil! 
II
Deitado eternamente em berço esplêndido,
Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras, ó Brasil, florão da América,
Iluminado ao sol do novo mundo! 
Do que a terra mais garrida
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores;
"Nossos bosques têm mais vida",
"Nossa vida" no teu seio "mais amores".
Ó pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!
Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado,
E diga o verde-louro dessa flâmula
- Paz no futuro e glória no passado.
Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte.
Terra adorada
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó pátria amada! 
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!