quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Trabalho internacional vale a pena?

por Erik Azevedo

Com o encolhimento do mercado de trabalho marítimo no Brasil devido à muitos fatores, da qual não vamos abordar nesta matéria pois é desnecessária tal abordagem, o profissional pode recorrer – caso esteja em condições – as oportunidades no mercado de trabalho internacional.

No mercado internacional surgem sim muitas oportunidades para diversas funções marítimas ou técnicas ligadas à indústria do petróleo e gás. Porem é um mercado muito peculiar se comparado ao nosso local, começando pelos salários que são muito variáveis e locação para se trabalhar. 

Hoje a maioria das vagas ofertadas nos sites do ramo são para regiões em que históricamente profissionais evitam ou relutam aceitar. Outro ponto é o tipo de contrato de trabalho. Em geral não é feito no Brasil ou sob a proteção Legal da CLT, e sim são contratos baseados em paraísos fiscais, também conhecidos como “contratos de bandeira”.

O primeiro passo é o cadastro nos sites que ofertam vagas internacionalmente, na maioria dos casos quem oferta vagas são agências de recrutamento de mão de obra baseadas em países europeus como Inglaterra e Holanda, por isso o inglês precisa estar muito bem afiado. 

Uma vez o “embarcador” esteja interessado no profissional, ele sem dúvidas fará contato, que é feito por e mail, ou telefone, onde geralmente no primeiro contato já é feita uma breve entrevista. 

Mas para isso ocorrer é preciso elaborar um bom currículo em inglês, eliminando coisas desnecessárias. O ideal são os modelos em PDF em que é possível usar muitos recursos como link direto com os sites das empresas trabalhadas, e também é possível visualizar as fotocópias dos certificados do profissional arquivados em sites específicos, é bom lembrar de também arquivar cartas de recomendação e avaliações – appraisal letter – recebidas nas empresas em que o profissional esteve, se for o caso.

Contratação
Todo o processo para contratação geralmente é feito à distancia também por e mail e telefonemas, exames as vezes são feitos em clinicas “credenciadas” por consulados. No Rio de Janeiro há algumas destas clínicas conveniadas ao Consulado Britânico, Norueguês, Dinamarquês e Holandês por exemplo.  Pois o “ASO” é em inglês ou em outro idioma exigido pela agência recrutante.

O contrato de trabalho é enviado por e mail, assinado e devolvido também por e mail, toda logística é feita naturalmente por contato eletrônico, bem como os detalhes sobre a viagem.

Salários

A faixa salarial é muito variável em alguns casos o contrato internacional pode ser bem mais atrativo em comparação ao salário local, em outros casos nem tanto. Em geral a moeda corrente usada como referência é o USD – dólares americanos – mas muitas empresas pagam também em Euro, Libras Esterlinas ou Coroas. 
O recebimento do salário é em conta corrente, esta conta é aberta pelo empregador que pode ser na maioria dos casos em bancos internacionais com sede em paraísos fiscais. O funcionário apenas recebe um cartão de crédito internacional e com ele pode realizar saques em caixas eletrônicos da rede conveniada.

Quanto aos benefícios isso vai depender muito do tipo de contrato assinado, pois na maioria dos casos os contratos são temporários, uma vez encerrando o contrato, p0de ou não ocorrer a renovação. 

Mas as empresas do ramo de petróleo em geral costumam oferecer “contratos de fidelidade”, neste tipo de contrato o tripulante faz um pré contrato, se o mesmo atender os requisitos é oferecido um contrato “definitivo”, uma vez ele concordando com esta renovação ele pode usufruir alguns benefícios que a corporação oferecer. 

Em algumas empresas há até uma ligeira “garantia de estabilidade” e plano de seguridade social (aposentadoria em grupo), assistência médica, e outros benefícios como bônus por tempo de contrato.

Há empresas no ramo do petróleo que almejam manter seus colaboradores por longo tempo, se possível até a aposentadoria do tripulante, por isso oferecem promoções por mérito, em geral a cada 5 anos à um ligeiro aumento salarial mesmo que não ocorra ascensão na carreira.

Porem caso o tripulante descida “quebrar” o contrato, ele pode estar sujeito à multas ou “cumprir um aviso prévio”, porem isso vai de contrato para contrato. 

Em algumas organizações a empresa quando encerra o contrato ou vice e versa, pagam mais um salário e restituem ao tripulante o dinheiro “do fundo” de participação – isso quando há este fundo – em algumas organizações este fundo pode chegar ao valor de um salário para cada ano trabalhado na empresa. 

Por exemplo, o tripulante trabalhou 10 anos em determinada organização, ele recebia 10 mil USD mês, no fim de dez anos trabalhados o mesmo resolve deixar a organização. No acerto de contas ele recebe do fundo 10 mil USD para cada ano que trabalhou na empresa. 

Porem isso é relativo há empresas que possuem tal fundo, que em geral é mantido com descontos mensais nos salários, do mesmo modo que temos no Brasil nossa previdência e fundo de garantia por tempo de serviço – Estes programas não são invenção do Brasil e nem exclusividade local. 



Sites para cadastro
O site referência é o RigZone, porem existem outros que são exclusivamente direcionados para marítimos, como o “Maritime Union”, não abordamos aqui agências para recrutamento de mão de obra para “cruzeiros marítimos”, pois este não é o foco da matéria em questão. Obviamente existem mais sites, e gostaríamos que colegas postassem aqui se for o caso.

maritime-union.com - Feito para anuncio de vagas e cadastro de profissionais, as vagas são de responsabilidade das muitas agências que anunciam as mesmas. Há uma grande oferta para posições “Senior” como “Master” – Comandante, Chief Off – Imediato – e Chief Eng – Chefe de máquinas. 

A maioria das vagas são de agências no Leste Europeu ou Inglaterra, e oferecem embarques em navios mercantes em “trades” pela Europa ou Ásia, os salários são ofertados na maioria das vagas. Profissionais podem fazer cadastro no site.

rigzone.com – O Rigzone começou como site de notícias do meio offshore, e hoje engloba anúncios de vagas e profissionais, além de muitas matérias e dados completos sobre o mercado de trabalho e a vasta indústria do petróleo. É um site que oferece não apenas a vaga mas também informa sobre a empresa e sobre o que ocorre no ramo.

Profissionais podem fazer cadastro no site.

Muitas vagas anunciadas no - www.maritime-union.com

Se vale a pena ou não trabalhar no mercado internacional? Bem, o que vale a pena é estar empregado e recebendo um salário justo, porem esta é uma resposta muito particular.

http://maritime-union.com/jobs/
http://www.rigzone.com/jobs/search_jobs.asp

Fonte: www.blogmercante.com